[object Object]

Debate na Câmara Federal Aponta que é Preciso Ampliar a Participação e Controle Social no uso dos Recursos da CFEM e CFURH

 

Transparência e o controle social sobre a utilização da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) e da Contribuição Financeira e da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Hídricos (CFURH) foi tema de uma audiência pública que aconteceu nesta terça-feira (1º) na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.O debate proposto pelo deputado Padre João (PT-MG) reuniu representantes de órgãos de fiscalização, associação de municípios mineradores, pesquisadores e parlamentares participaram do debate que aconteceu online e está disponível AQUI!Screenshot da apresentação do professor e pesquisador Bruno Milanez

O ponto principal da audiência foi a discussão da transparência na comunicação tanto do recebimento quanto na utilização das compensações financeiras por exploração de recursos hídricos e minerais.

De acordo com o superintendente de Arrecadação da ANM, Edvaldo Silva, em 2020 foram arrecadados pela CFEM R$ 6,08 bilhões de reais, frente a uma operação que movimentou mais de R$ 208 bilhões no setor. Além de apresentar os dados gerais sobre a arrecadação, o Superintendente também falou sobre como a ANM disponibiliza as informações para a população e também a orientação de que estados e municípios divulguem as informações de arrecadação.

Um dos coordenadores do projeto De Olho na Cfem e professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, Bruno Milanez, apresentou um balanço das informações coletadas nos últimos meses a partir das pesquisas que monitoram o uso e transparência dos recursos da CFEM em seis municípios do país. “No aspecto federal, uma das constatações das pesquisas está relacionada à dificuldade de acesso aos dados da ANM pela forma como a informação é distribuída no site. “Muitas pessoas não entendem, não tem clareza por exemplo da memória de cálculo e do intervalo temporal. As informações são variáveis”, pontuou.

Em relação aos municípios, Milanez destacou que existe uma série de questões relacionada às leis orçamentárias que não são cumpridas. Não existe por exemplo, uma versão cidadã da transparência nos sites dos municípios para que as pessoas entendam a arrecadação e destinação dos recursos. “O fato da informação está disponível não quer dizer q está acessível e o controle social depende da acessibilidade das informações”. Sobre este tema o De Olho na CFEM elaborou uma nota técnica sobre a falta de transparência no uso da CFEM que está disponível AQUI!

Bruno Milanez apontou ainda a necessidade de maior fiscalização do cumprimento da Lei 13540/2017, aprimoramento das informações no site da ANM, além da normatização das informações. “É preciso aprofundar o debate sobre o uso desses royalties da mineração, lembrando que são recursos finitos, uma vez que a mineração vai acabar, é um renda volátil”.

A garantia de uma regulamentação tanto no uso dos recursos da CFEM quanto CFURH foram as principais recomendações apresentadas durante a audiência pública pelos pesquisadores.

Recursos Hídricos

O promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Pará, Daniel Bona, falou sobre a experiência com a fiscalização dos recursos de compensação de recursos hídricos no município de Altamira, que recebe compensação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte desde 2016. Em 2018, o Ministério Público do Pará instaurou um procedimento de investigação sobre o uso das compensações. “A falta de regulamentação facilita a falta de transparência”, destacou o promotor.

Também ao falar sobre a transparência no uso e controle social da CFURH, o professor da Universidade Federal do Pará Assis da Costa Oliveira, apontou que “o que falta em termos de transparência publica é uma padronização, uma definição normativa que garanta a obrigação de cumprimento para todos os municípios mineradores ou municípios q tenham algum recolhimento de recursos hídricos”. Oliveira também apresentou algumas proposições que podem ser adotadas, como transparência no planejamento da alocação dos recursos, transparência na prestação de contas sobre a utilização dos recursos, institucionalização de mecanismos participativos para planejamento, entre outras medidas.

Controle Social

O controle social dos gastos públicos é uma condição necessária para garantir o uso correto das receitas dos governos federal, estaduais e municipais. “O controle social deve ser esforço de todos. É preciso diversificar as atividades econômicas, criar alternativas de renda nos municípios, possibilitar um plano de desenvolvimento local, regional. É difícil que as comunidades cobrem porque estão como reféns de uma única atividade e as vezes o que chega, chega como uma ação de caridade, como se fosse um grande favor e a comunidade fica eternamente grata e submissa àquela empresa. Diversificar a economia é fundamental, assim como melhorar a disponibilização dos recursos e transparência. É preciso avançar num marco regulatório da CFEM e da CFURH”, apontou o deputado federal Padre João.

Para o promotor Daniel Bona, o controle social é uma das principais problemáticas que envolvem a arrecadação dos royalties. “Se para o Ministério Público é difícil fazer a distinção e saber onde as compensações estão sendo aplicadas, imagine para as comunidades. A vida das pessoas mudou muito e não mudou para melhor, elas não têm como saber o que está sendo feito com o dinheiro que é delas, é preciso ter uma regulamentação da destinação e de transparência. Falta de transparência e corrupção andam de mãos dadas, quanto menos transparência e controle social mais o dinheiro é desviado e destinado para outros fins”, ressaltou.

Também participaram da audiência pública representantes da Agência Nacional de Mineração (ANM), Victor Hugo Froner Bicca e Tasso Mendonça; representante da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) Carlos Carvalho; o representante da Associação de Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig), José Fernando Aparecido de Oliveira; e o representante do Instituto do Desenvolvimento da Mineração (IDM), Wagner Pinheiro.

O vídeo completo da audiência pública está disponível AQUI!

Projeto de Olho na CFEM

A audiência é fruto de uma demanda apresentada no Seminário Regulação e Transparência dos Royalties Hídricos e da Mineração, realizado no dia 8 de abril, que contou com a participação do deputado Padre João. O Seminário foi realizado pelo projeto De Olho na CFEM, que é coordenado pelo Comitê em Defesa dos Territórios Frente à Mineração.

O projeto De Olho na CFEM monitora e avalia a transparência e o uso da CFEM em seis municípios Canaã dos Carajás (PA), Marabá (PA) e Parauapebas (PA); Conceição do Mato Dentro (MG); Alto Horizonte (GO) e, Açailândia (MA).

Para saber mais sobre o projeto acesse AQUI!

Perguntas e Respostas sobre a CFEM, leia AQUI!

 


Outros Artigos

Imagem destacada da postagem Reunião de Avaliação Projeto De Olho na CFEM Aconteceu no Distrito Federal
Artigos

Reunião de Avaliação Projeto De Olho na CFEM Aconteceu no Distrito Federal

O grupo de trabalho do projeto De Olho na CFEM, que é financiado pela Fundação Sage, se reuniu entre 10 e 13 de fevereiro, no Sítio Titara – DF, para avaliar e planejar as próximas etapas do projeto. A escolha do local, em meio à natureza foi pensado para que as atividades pudessem ter um […]

Imagem destacada da postagem Coordenadora do Projeto De Olho na CFEM Participou de Encontro na África do Sul
Artigos

Coordenadora do Projeto De Olho na CFEM Participou de Encontro na África do Sul

De 5 a 8 de setembro, aconteceu evento da Escola Global de Combate a Fluxos Financeiros Ilícitos, Transferência de Lucros, Impostos e Evasão de Salários, na qual a Rede Igrejas e Mineração e a Justiça nos Trilhos participaram em Joanesburgo, a maior cidade da África do Sul. Evento em formato híbrido. Antônia Larissa Alves (Coordenadora […]

Imagem destacada da postagem Recursos da Compensação pela Exploração Mineral Deveriam ir para Shows?
Artigos

Recursos da Compensação pela Exploração Mineral Deveriam ir para Shows?

Repercussão do show de Gusttavo Lima em Conceição do Mato Dentro (MG) reforça a necessidade de regulamentação da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM). Foto: Divulgação O município Conceição do Mato Dentro (MG) ganhou ampla repercussão na última semana depois que o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) instaurou um procedimento para averiguar um show […]

Publicações

Imagem destacada da postagem NOTA TÉCNICA 08 – PARA ONDE VAI A CFEM? Uma avaliação das receitas e despesas dos municípios de Marabá (PA), Parauapebas (PA) e Canaã dos Carajás (PA) para o ano de 2021
Notas Técnicas

NOTA TÉCNICA 08 – PARA ONDE VAI A CFEM? Uma avaliação das receitas e despesas dos municípios de Marabá (PA), Parauapebas (PA) e Canaã dos Carajás (PA) para o ano de 2021

Desde 2020 o De Olho na CFEM vem acompanhando o uso dos royalties da mineração em alguns dos municípios que recebem tal recurso nos estados do Pará, Maranhão, Minas Gerais e Goiás. Os resultados encontrados nos doze municípios analisados fazem menção, especialmente, à falta de transparência quanto ao uso da Compensação Financeira pela Exploração do Recurso Mineral (CFEM) e […]

Imagem destacada da postagem Nota Técnica 07 – Arrecadação e uso da CFEM: limitações nos portais de transparência dos municípios minerados
Notas Técnicas

Nota Técnica 07 – Arrecadação e uso da CFEM: limitações nos portais de transparência dos municípios minerados

A Compensação Financeira pela Exploração dos Recursos Minerais (CFEM) tem ganhado destaque no debate público por constituir uma parcela significativa das receitas em municípios afetados pela extração mineral ou pela infraestrutura a ela vinculada (ferrovias, minerodutos, portos, barragens de rejeito etc.). Nesta perspectiva, o projeto De Olho na CFEM tem buscado aprofundar o debate sobre […]

Imagem destacada da postagem O que é Compensação Financeira pela Exploração dos Recursos Minerais (CFEM)?
Cartilhas

O que é Compensação Financeira pela Exploração dos Recursos Minerais (CFEM)?

Há pouco mais de dois anos, o projeto De Olho na CFEM do Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração, em conjunto com Inesc e POEMAS atua em cinco dos principais municípios mineradores do Brasil – Canaã dos Carajás (PA), Parauapebas (PA), Marabá (PA), Alto Horizonte (GO), Conceição do Mato Dentro (MG) e […]

Imagem destacada da postagem Arrecadação e uso da CFEM: limitações nos portais de transparência dos municípios minerados
Notas Técnicas

Arrecadação e uso da CFEM: limitações nos portais de transparência dos municípios minerados

A Compensação Financeira pela Exploração dos Recursos Minerais (CFEM) tem ganhado algum destaque no debate público por constituir uma parcela significativa das receitas em municípios afetados pela extração mineral ou pela infraestrutura a ela vinculada (ferrovias, minerodutos, portos, barragens de rejeito etc.). Nesta perspectiva, o projeto De Olho na CFEM visa aprofundar o debate a partir do […]